Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quarta-feira, 22 de março de 2017

767 e Linha verde




O pijama gato

Não sei se já viram mas agora existem uns pijamas tipo macacão a imitar animais e super heróis. Um vizinho meu tem um picachu. Mas eu tenho miúdas. Por isso a Rita tem um gato. Mas não é um gato qualquer. É todo cor de rosa. Como esta é altura de testes hoje foi buscar os apontamentos e deitou-se no chão da sala a estudar. Assim deitada parecia mesmo um gato de pelúcia.
Fui buscar o caderno e comecei a desenhar.
Utilizei uma caneta de aparo com tinta solúvel em água. Gosto de pintar com aguarelas depois de desenhar com ela, pela incerteza  criada quando coloco a água. Esta mistura potencialmente catastrófica deixa-me liberto da expectativa de um bom resultado final. Deixo-me ir e pronto.

Verão

Um desenho da Praia dos Salgados.
Muito cedinho. Antes de chegarem as pessoas.

Bem, correndo o risco de não cumprir escrupulosamente o cânone do urban sketcher, por ter feito em casa visto não ter tido tempo suficiente na ilha da Berlenga, aqui deixo mais este treininho em caderno. A Primavera já lá chegou em força... :)
Narcisos na Berlenga (aguarela e posca branca)

Marrocos I


Nos posts seguintes, vou partilhar convosco uma série de desenhos que tinha no baú, desde Outubro do ano passado, quando fui a Marrocos com a família. São esquiços apressados, feitos em trânsito, ou nas auroras em que o som do minarete da mesquita trazia a insónia, como é o caso deste desenho.

Acompanharei também os desenhos com extractos dos relatos escritos que também acompanharam a viagem. Fi-los pelo chat do facebook, por duas razões:
I - Para não deixar a namorada preocupada;
II - Porque a velocidade da ligação à net tornava impossível qualquer conversa em tempo real.
Restou-me apenas o pequeno ecrã do telemóvel para comunicar. Por escrito, tive de resumir as emoções de uma viagem que me marcou.

Workshops e encontro em Portimão

Os Urban Sketchers Algarve convidam-vos a viajar até Portimão, para um fim-de-semana de workshops de deseho e encontro de urban sketchers. Esta iniciativa, apoiada pela CM Portimão e pelo ISMAT, surge no âmbito da III Semana de Reabilitação Urbana de Portimão.

161116 rossio.jpg
IMG_2491.JPG
A Estação do Rossio, com trabalhadores a fazer uma pausa ao sol (Pedro Loureiro)
A mesma vista, detalhando a arquitectura dos edifícios ao redor (Pedro Alves)

Segue o programa para o fim-de-semana:

Workshop

Sábado dia 25 de Março
Local de encontro - ISMAT
Manhã- 10h
Almoço Livre
Tarde – 15h

Narrativas da arquitectura e das pessoas que a vivem
Compor uma narrativa focada num ambiente construído, e no ponto de vista das pessoas que o experienciam.
Workshop de duas partes - manhã e tarde - onde se irão explorar diferentes abordagens ao desenho livre de arquitectura, ambientes urbanos e das pessoas que os experimentam e os vivem.

Formadores
Pedro Alves
Pedro Loureiro

Inscrição gratuita e obrigatória: ISMAT - id@ismat.pt

Encontro Urban Sketchers Algarve

Domingo dia 26 de Março
Manhã - Ponto de encontro no TEMPO - Teatro Municipal de Portimão - 10h - desenhar Portimão
Almoço – “Porta Velha”
Tarde - desenhar Portimão, partilha e encerramento.

Para sabermos o numero de pessoas a participar no almoço, a inscrição é obrigatória, enviando um email para urbansketchersalgarve@gmail.com

Bons desenhos!


Bolo de iogurte

Este era o bolo da minha infância, que fazíamos para o lanche das nossas tardes de domingo. Havia sempre uma grande luta entre eu e os meus irmãos para arrebanhar a massa crua da taça, uma grande gulodice :D. Fi-lo no Domingo para um lanche de dia do pai.

Casa dos Açores | Minde


Menízias do Ninhou

Rua das tecedeiras e atelier de tecelagem

Na Gulbenkian


Ninhou - Minde




Pormenor de uma das portas da Casa Museu Roque Gameiro em Minde.

sem datador...


(Caneta caligráfica, lápis de cor e marcador de aguarela)                                                                                         |«in situ»|

terça-feira, 21 de março de 2017

Ninhou

A Capela de S Sebastião, em Minde
Um desenho já antigo mas que ainda não tinha visto a luz do blog

Ninhou

Neste sábado fomos desencantar uma vila única. E quem achar que lá por estar a uma hora de Lisboa, é um sítio igual a tantos outros, desengane-se. Para lá da serra de Aire mandam os que lá estão, mandam as gentes de Ninhou, que em português tem o nome de Minde. E foi na língua local que o Pedro Cabral nos deu as boas vindas, ao lado da Doutora Alzira, do Museu Roque Gameiro, e com o Pedro Loureiro a lançar o desafio. Um desafio, por sinal, bem exigente: estar na inauguração da exposição dos desenhos... a desenhar.


Os mais afortunados viram a casa por dentro. Fomos recebidos pelos melhores guias poliglotas. Não só o projeto expositivo é notável (é da equipa que também concebeu o do Museu do Oriente), mas também a própria coleção de aguarelas de Roque Gameiro vale a viagem de Lisboa... e muito mais.


Com o António Procópio tentei desenhar a casa a partir de vários sítios, num só desenho. Receio que, qualquer tentativa de enganar a perspectiva só retire beleza à casa.


Com um projeto de Raul Lino, arquiteto muito próximo dos Roque Gameiro, a casa ainda testemunha essa grande amizade. Não podia haver melhor espaço para a exposição.


Com um dia tão ameno, o jardim presta-se à fotossíntese. O Pedro Loureiro e o Luís Frasco também beneficiam, mas sempre de bloco na mão.


Depois dos emocionados discursos, também proferidos pela Presidente da Câmara Municipal de Alcanena, e de excelentes acepipes, fomos presenteados pelo coro do Conservatório de Minde. Poucas vezes ouvi gospel tão bem cantado!



Como uma cereja em cima do bolo, era o sol que se escondia atrás dos montes verdejantes. Pena, era preciso voltar à urbe!

Farol da Nazaré - 9º Encontro OSk

Aqui fica uma pequena amostra do que se produziu em mais um glorioso encontro dos OSk na Nazaré. Reportagem completa em http://oestesketchers-portugal.blogspot.pt/

Ainda sobre Minde

Depois de uma manhã de descobertas fomos almoçar. Escolhemos o Cantinho dos Sabores, um dos patrocinadores da exposição. Escolhi Cabrito (capado). Não vou entrar em pormenores. Cabrito em Minderico é Salta Catrepa.
Foi um almoço animado. Podemos ver aqui o Vicente Sardinha e o Mário Crispim em Grande cavaqueira.
Terminado o almoço fomos à inauguração da exposição, motivo que nos levou a Minde.
Aqui estou eu armado em gabarolas muito orgulhoso do meu cantinho. Estou acompanhado do desenho do Nelson Paciência e da Filipa Silveira. A exposição foi montada nestes cartões cinzentos e resultou muito bem. 

O museu preparou-nos mais um mimo. Café com canela (muito bom) e roscas, um doce típico de Minde. Não as desenhei. Limitei-me a comê-las. Eram muito boas.

Antes do Final do dia ainda fui ver o Centro de artes e ofícios Roque Gameiro ver o atazanar das menízias (o tecer das mantas)

Para terminar fomos visitados pelo coro ou melhor dizendo CHARALES SHORUS.


O dia estava a terminar e tínhamos de regressar. Entramos no carro ainda a ouvir as vozes do couro. 
Ainda não tínhamos saído de Minde e a Inês já dizia: Temos de cá voltar,


Minde





A árvore de Minde junto à capela de Santo António que me piscava o olho para a desenhar.

a primavera chega à fábrica da pólvora


Foi a segunda vez que fui à Fábrica da Pólvora de Vale de Milhaços. A primeira foi num encontro dos USKP. É um sítio fantástico para desenhar. Desta vez não desenhei a fábrica pois a atividade proposta era desenhar sinais da primavera no espaço envolvente. Este evento foi organizado pelo ecomuseu municipal do seixal em conjunto com a associação cultural L1B da qual faz parte a nossa Manuela Rolão que foi uma óptima orientadora. Que bela tarde.

Ponta Delgada


Quando o céu fica azul (sem nuvens) e a luz nos enche a alma, apetece sair da «casca» e por os «pauzinhos» ao sol.
Ao fundo vê-se o edifício da Segurança Social ladeado pelos guindastes da Escola B.I. Canto da Maia que atualmente está a ser intervencionada...

(Esferográfica, lápis de cor e datador)                                                                                                              |«in situ»|

Dia Mundial da Poesia

Dizer poesia no dia em que chegou a primavera!