Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Um dia gelado em Escaroupim, Salvaterra de Magos.



Cova do Vapor

12fev2017 - Lisboa da outra margem. O primeiro desenho de uma nova série, iniciada hoje com a supervisão de Richard Câmara, feito num super caderno Laloran Book Sketch. 



A pesar de ter perdido as fotos que tirei durante o workshop do Richard, devido a um problematizo informático, ainda consegui recuperar esta que postei como foto de capa da minha página do FB.

Conotações

Do Museu das Comunicações, um antepassado do Minion Stuart :)

Preguiça domingueira


(caneta e tinta caligráfica)                                                                                                                                                                                               |«in situ»|

Vamos desenhar com...Filipe Pinto

Ontem foi a vez do Filipe Pinto nos falar dos seus desenhos. Tentei fazer as  "listas" de peças que nos desafiou a fazer, de maneira a que,  de alguma forma, reflectissem tudo o que acho que o caracteriza e tanto admiro: calma, contenção, delicadeza, vagar, rigor, precisão, esmero...O resultado não interessa, mas que tentei - a sério! -  tentei. :)
Obrigada Filipe!



Vamos desenhar com...Filipe Pinto


Obrigado aos que participaram em mais uma sessão do Vamos desenhar com... 


Anotem nas agendas que a 11 de Março é a vez da Paula Cabral.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Vamos desenhar com...Filipe Pinto

 
Desta vez foi o Filipe Pinto que nos revelou algumas facetas menos conhecidas do seu percurso artístico. Gostei muito!
Depois muita conversa, algum desenho, e mais uma tarde muito bem passada no Convento do Carmo, fonte inesgotável de elementos inspiradores!
 


Quinta do Ulmeiro, Torres Vedras

 
 
 
Uma manhã de desenho solitário. De regresso a casa apanhei o sol a beijar este belo casario - a resistente Quinta do Ulmeiro. 

Na Mata dos Medos

Ontem, com o tempo já a convidar para umas saídas ao ar livre fui até á Mata dos Medos, o pinhal no alto da arriba fóssil da Caparica e que foi mandado plantar pelo rei D. João V, com a finalidade de travar o avanço das areias sobre as terras de cultivo, sobre a arriba.


É um lugar simpático para passar uma tarde a desenhar, fazer piqueniques e com boa companhia.




Dia de Surf

Surf aos sábados é uma realidade. Faça chuva ou faça sol a minha filha está sempre pronta. As rotinas passaram a ser outras. Uma delas é arrumar o material e guardá-lo na carrinha do professor.

#desenhoruabenformoso #desenholisboa

Antídoto para salas de espera

Perspectiva (hemi)esférica de uma sala de espera.


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

ALEGRIA

Quando tenho algum tempo em Bruxelas desenho rápidamente no meu caderninho. Este desenho estava inacabado porque o dia estava frio e cinzento demais para estar cá fora. Completei-o agora e representa parte do Edificio La Gaîté  um antigo teatro do centro da cidade que hoje é um centro cultural. Gosto de dobrar a esquina e dar com esta cara na fachada que sorri para mim. Vai ser um dia ALEGRE, penso.
Leonor Janeiro

#43 Pérola do Chaimite

Já deu para perceber que tenho que começar a desenhar as lojas por dentro.
Esta é um mundo escondido sob uma montra discreta. Mais uma vez desenhei enquadrando a loja no quarteirão. Pareceu-me fazer ainda mais sentido neste caso uma vez que o edifício onde se insere é o de um conhecido colégio.
O resultado foi um desenho rápido (e torto) onde subtraí uma exposição neste passeio, que ocultaria muitas das lojas.


Uns minutos a estudar um clássico


Gente garrida




#33 Pastelaria Versailles

Este sítio merece, sem dúvida, uma visita e um desenho com mais  tempo, sem a pressão do parquímetro a descontar vertiginosamente.
As mesas estão cheias, com pessoas e  rotinas que gosto de observar. Sobretudo homens. Não muito novos. Conversa-se, lê-se o jornal, cumprimentam-se os menos íntimos com um aceno de cabeça e dão-se dois dedos de conversa aos empregados que já se conhecem .
A decoração luxuosa, os detalhes  arte nova, os lustres, os espelhos, as imaculadas toalhas de mesa, as  fardas dos empregados e  a exuberância dos mármores e das madeiras, transportam-nos para o  elegante e sofisticado ambiente dos clássicos  cafés europeus do início do século.
"Este espaço oferece aos seus clientes diversos tipos de chá e a  mais variada pastelaria de Lisboa". Como diria Dâmaso de Salcede, Chique a Valer!



quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Focaccia in Giro

Um copo na Feira da Ladra

#35 Joalharia do Carmo


15 fevereiro 2017
Na deslocação ao Chiado para entregar 4 aguarelas, nada melhor do que aproveitar um 'tempinho' e descer até ao 87-B da emblemática Rua do Carmo - a fazer lembrar a canção dos UHF (1981).

Desta vez, não foram "mulheres alheias, presas às montras" (como diz a letra da banda), mas fiquei preso também. Preso à montra, à beleza de art-deco com 91 anos de história, que felizmente é preservada para nos encher os olhos... e os cadernos!
-José Leal

#33 Versailles + #12 Casa Xangai

Decidi estrear-me na iniciativa das lojas tradicionais de Lisboa!
São duas das lojas a desenhar, que por sinal ficam muito próximas. Optei por desenhar o quarteirão e junta-las no mesmo desenho estilo 2 em 1!